a onda

 

 “Você é especial” – assim funciona o principal argumento massificador de que temos conhecimento. Soa, sim, a paradoxo. Não por acaso, poucos percebem as artimanhas dessa falácia. Não por acaso, essa arapuca se mostra tão eficiente.

 

 O filme A Onda ilustra bem essa teoria. Os fatos se passam numa pequena escola da Califórnia. Numa aula de História, a aluna pergunta ao professor como os alemães puderam ser tão coniventes com o nazismo. O que poderia justificar ou explicar a adesão a algo tão nocivo à humanidade? De bate-pronto, nem o docente sabia, mas ele se propôs uma investigação extremamente dolorosa, principalmente a seus alunos.
 

 Pouco a pouco, suas aulas passaram por uma imensa modificação. Aos avacalhados alunos era exigida uma melhor postura não só física como moral. Disciplina era a palavra da vez, dela se desdobrando outros conceitos, como ordem, força e conjunto. Rapidamente os alunos foram induzidos a se acreditarem melhor do que eram antes. O grupo que eles estavam formando, a Onda, se mostrou forte e impetuoso; exatamente o oposto de seus integrantes – fato este que se lhes acentuou a importância do grupo. Não tardou, porém, para que os problemas começassem a surgir.
 

 “Filha, você foi criada para ser ímpar”, com essa frase tão individualista e – principalmente – tão libertária uma aluna foi despertada por sua mãe. A Onda, longe de ser um catalisador do potencial humano, se mostrou um inibidor de sua individualidade. Há quem diga que o capitalismo – a onda da vez –  privilegie o individualismo. Me parece o contrário: ele (aqui no Brasil ao menos) instiga a massificação. Os frascos de perfume, os maços de cigarro não cativam apenas nosso olfato; eles visam cativar nosso raciocínio. Não à toa as propagandas enfatizam tanto a imagem, deixando de lado aquilo que de fato caracterizaria os produtos.
 

 As imagens são nosso cativeiro. Há como escapar? Uma resposta generalizante é o primeiro passo para não compreender o problema. A falácia dos grupos é sedutora, afinal estes são conduzidos por indivíduos que conhecem bem os instintos da massa. Enfrentar a onda, nadar contra a corrente talvez seja cansativo. Mas é a melhor alternativa para manter o espírito livre.

Anúncios

9 pensamentos sobre “a onda

  1. Pingback: Idealizações e ideais « Mutuca

  2. Pingback: A ilusão do bichos « Mutuca

  3. Pingback: Nova onda no pedaço « Mutuca

  4. Pingback: Saber o Sabor « Mutuca

  5. Pingback: Nova onda no pedaço | Rodrigo Mutuca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s