Realidades Individuais

CMSK (cintiama@globo.com)

 

Dom Casmurro, obra de Machado de Assis, traz um dos mais famosos mistérios da literatura brasileira: o da traição, ou não, de Capitu, mulher do protagonista, com o melhor amigo deste, Escobar. Bentinho, amargando a certeza do adultério, conta-nos sua história tentando provar que tem razão. No entanto, a virtuosidade da escrita machadiana permite que o leitor desconfie dos argumentos que o narrador nos apresenta. As opiniões então se dividem: para alguns, houve adultério, para outros, não. Embora se trate de uma questão das mais relativas, para o personagem, a traição era real, não mera fantasia. É importante perceber que a “realidade individual” não é – para o indivíduo que a sente – uma mera ilusão, ainda que ela possa ser relativizada eventualmente.

 

A relativização é de fato uma idéia muito atraente. David Hume, filósofo do século XVIII, dizia que dois eventos semelhantes não produzem, necessariamente, os mesmos efeitos. Assim, por mais que algo seja tido como verdadeiro, isso não significa que ele será válido para sempre. Esse pensamento é bastante razoável. Por exemplo, o fato de uma bola cair ao ser solta do alto de um edifício não garante que ela sempre cairá – há a possibilidade, embora mínima, de algo mudar e a gravidade deixar de existir. E mesmo que haja cálculos demonstrando a validade de uma teoria, eles apenas se aplicam para o universo que existe agora. Contudo, é fato que, enquanto a queda dura, a gravidade é uma realidade, uma verdade absoluta para o instante em que ocorre. Mesmo assim, muitos podem pensar que a realidade então não passe de ilusão, uma vez que as verdades, mesmo quando “absolutas”, não são universais.

 

Cada pessoa sente e vive o mundo de uma forma muito particular, de modo que aquilo que é real e verdadeiro para alguns não obrigatoriamente o será para outros. É inerente ao homem imprimir emoções e julgamentos em tudo que lhe afeta e, portanto, que considera real. Assim, um fato, ao adquirir dimensão real para o indivíduo, torna-se propriedade de seu universo pessoal – aquilo que ele imprimiu no acontecimento diz respeito a ele próprio, de modo que a sua realidade é sempre o que se passa dentro dele mesmo. Além disso, é o que existe no interior do ser humano que determina seu modo de entender a realidade, o qual será “verdadeiro” e “absoluto”, enquanto for condizente com esse interior. Desse modo, realidade alguma é ilusão no sentido em que reflete os sentimentos e pensamentos que são reais e válidos para aquele que os possui.

 

Tudo o que se passa no universo interior, e mesmo exterior, de cada um está sempre mudando. Isso é, em parte, um dos motivos pelos quais a questão do adultério em Dom Casmurro é tão misteriosa e sedutora: cada vez que se lê o livro é possível interpretá-lo de uma maneira diferente, dependendo do estado do leitor. Mais ainda, cabe lembrar que, embora todas as interpretações possam ser relativizadas, é o próprio leitor que decide qual será a verdadeira – para ele e naquele momento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s