Vitor Ramil

Vitor Ramil é um artista sofisticado. Capaz de mesclar som e sentido de maneira a quase não acreditarmos no que ouvimos, capaz de criar imagens fortes, dando massa a abstrações, como neste trecho de “A ilusão da casa”

As imagens descem como folhas
no chão da sala.
Folhas que o luar acende,
folhas que o vento espalha.

em que as memórias solidificam-se na forma de folhas cadentes. Ainda que não saibamos se essa folhas são de árvore ou de caderno, em todo caso elas remetem a algo que está fora de seu “habitat” – não são assim as memórias? O aspecto pictorial também é muito bonito: as folhas iluminadas pelo luar ganham um tom prata, que lhe acentua o contraste; o vento as espalha, distribuindo caleidoscopicamente suas cores pelo quarto.

  Do novo álbum, Delibab, a música que primeiro grudou em meus ouvidos foi “Mango”, uma bela milonga feita a partir do poema de João da Cunha Vargas. Ouvi-la é ser transportado aos pampas gaúchos que existem na minha memória de livros ou filmes como Um certo capitão Rodrigo, excerto de O tempo e o vento, de Érico Veríssimo. Para enteder a música, é preciso ter uma imagem nítida do gaúcho do continente.

Mas mesmo assim não é nada fácil. Eu penei para entender o vocabulário. Confira você mesmo:

 http://letras.terra.com.br/vitor-ramil/1248413/

P.S.: hoje tem show do Vitor Ramil no Sesc Pompeia às 21h. Nem adianta ligar para mim neste horário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s