Mito da caverna invertido

 O mais recente filme de Woody Allen (Whatever Works) merece um título melhor em português. A expressão “tudo pode dar certo” enfatiza equivocadamente um otimismo de auto-ajuda, ao passo que a frase original faz referência a um quê de aleatoriedade, de imprevisível, que marca a vida de todos nós. “Qualquer coisa pode dar certo seria mais preciso, mas se o tamanho incomoda, poder-se-ia optar pelas breves, indolentes e diretas: “Tanto faz” ou “Que seja”.

 Whatever Works conta a história de Bóris Yelnikoff, um velho rabugento cuja rabugisse provém de uma comum mistura de intelectualidade e desdém. Seu paradoxal apego e desapego à racionalidade se explica por Boris se achar o único ser verdadeiramente lúcido de Manhattan ou, relembrando o desenho mais famoso de Saul Steinbeck, do mundo.

 

 O diretor escolheu uma metáfora bastante feliz para caracterizar a psique do protagonista. Ele, só ele, percebe que está sendo observado pela plateia; ao contrário dos seus amigos, ao contrário dos estranhos que o observam assustados, ele está ciente de que há um público assistindo a seus passos. Mas – veja a sacada – ele não percebe ser um ator interpretando um personagem escrito por… etc e tal.  Ao optar pela metalinguagem parcial, Woody evitou criar um protagonista onisciente, verdadeiramente superior; pelo contrário, Bóris parece-se mais com aqueles intelectuais que se julgam o representante direto dos deuses do conhecimento, quando não o próprio deus. Os amigos que o veem como um velho doido vaidoso que se hipervaloriza talvez não estejam tão errados.

 Se o filme, às vezes meio repetitivo para quem já conhece razoavelmente a carreira do diretor, tem algo de diferenciado, é justamente isso. Ele inverte o mito da caverna, de Platão. Lá, o sábio é quem escapa das sombrias ilusões e consegue enxergar a verdade; aqui o pretenso sábio é aquele que rompe a quarta parede e se dirige diretamente aos observadores. Sim, pretenso sábio, como ele próprio, aliás, nos confessa ao fim do filme, com aquela preciosa auto-ironia que tanto ajuda a enriquecer a inteligência e o humor. Ele se vira para nós e prega o discurso final, no qual parte de sua rabugisse intelectualoide é revisada: “Tanto faz. E que ninguém se engane, nem tudo depende da genialidade humana.  A maior parte de sua existência é mais sorte do que gostaria de admitir”. Repare, nesta última frase, que o protagonista não se inclui no discurso (terceira pessoa, em vez da primeira). Esse Bóris…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s