Um dia na vida de um copo de whisky virgem, nas prateleiras da adega

            Era estranho, estar ali ao lado de seres tão parecidos mas ao mesmo tempo tão diferentes. A luz que refratava por todos eles sugeria uma pureza enganadora, uma lucidez nublada por preconceitos mal disfarçados. Era o único ali a sentir-se isolado? O silêncio e a indiferença incomodavam mais do que um resmungo articulado por esta ou aquela teoria. Mas não. Só, solitário; o silêncio.

            Antes de parar ali, antes de parar em qualquer canto, segundo ouvira de uma voz perdida em algum meandro da memória, fora diversos grãos que nem sempre estiveram juntos, mas livres, abandonados ao acaso e aos dissabores da maré. Um dia, porém, o bafo quente de algum deus uniu aqueles grãos todos numa espécie de goma plástica – ou, melhor dizendo: vítrea – dando-lhe a forma irregular que talvez tanto lhe incomodava. Suposições e certezas às vezes se confundem.

            Agora ali, olhando ao lado, percebia diversos seres semelhantes a si. Todos eles também formados a partir de diversos grãos fundidos numa mesma goma vítrea, todos eles criados pelo mesmo e divino bafo incandescente, mas ao mesmo tempo cada um deles quieto, indiferente ao outro. A saudade de uma voz que decerto nunca existiu lhe atiçava e consumia as esperanças. Tentava entender seus vizinhos, como cada um deles refletia a própria existência cilíndrica, a essência vitriolizada, o ser enquanto copo ou taça. Dizia-se que algum dia, todos eles retornariam ao pó, aos pequenos grãos de areia que se espalham pelas praias, pelos leitos ou mesmo pelo chão. Há também a hipótese da permanência, os vitrais, mas isso pouco lhe importava. O que fora ou o que seja lhe pareciam variações da mesma abstração, pois ali, ao lado e isolado de seus pares, sentia-se ímpar, ao lado de diversas criaturas tão ímpares quanto ele, criaturas que talvez tivessem a mesma inquietação, mas por algum motivo impossibilitadas de lhe estender a voz, todas fadadas ao mesmo silêncio.

Anúncios

13 pensamentos sobre “Um dia na vida de um copo de whisky virgem, nas prateleiras da adega

  1. Gostei especialmente das expressões “existência cilíndrica” e “essência vitriolizada”. Muito bonitas mesmo 🙂

    Professor, havia um link, em algum post aqui no blog, para um curta chamado “Esconde Esconde”. Infelizmente, não consegui achá-lo, então a indicação fica meio sem contexto e eu peço desculpas por isso, mas enfim 🙂 O Senhor já viu um curta chamado “Skhizein”, de Jérémy Clapin? Achei bem interessante e original 🙂
    Caso o senhor se interesse, o link para assisti-lo no youtube:

  2. Muito obrigada, vou assistir já.
    Ah, isso é por causa de uma fase em que estive muito interessada em filmes com zumbis. E para quebrar um pouco a monotonia dos endereços de e-mail normais xD
    A propósito, desculpe-me pelos comentários sem apresentação. Meu nome é Harini, sou aluna do Etapa do terceiro ano do ensino médio. Uma amiga indicou o blog do senhor há algum tempo e eu tenho lido os textos por aqui desde então. 🙂

  3. Ah, você é a Harini? O Sérgio, o Rafael e/ou o Carlos me haviam falado [bem, é claro] de você. Em todo caso, só te conheço de nome e olhe lá. 🙂

    Você nunca apareceu nos clubes?

  4. Infelizmente, fui apenas em dois clubes de leitura desde o primeiro ano: um que discutiu o conto “Negrinha” e o outro que discutiu “Amigo do rei” e “O menino que escrevia versos”. Falta de tempo e disciplina para ler/assistir os textos e filmes indicados. Estou trabalhando nisso. 🙂

  5. Você tem face? Se tivr, entre na comunidade do clube: http://www.facebook.com/#!/groups/170591556325749/permalink/334949186556651/

    Caso não tenha, eis aqui as últimas datas:
    Leitura:
    [19.JUN] A semana do idoso (Kenzaburo Oe edição sugerida – 14 Contos de Kenzaburo Oe. Cia Letras: 2011) Leandro

    Cinema:
    [14.JUN] Rocco e seus Irmãos (Luchino Visconti: 1960) Leandro
    [21.JUN] Erin Brockovich (Steven Soderbergh: 2000) Regina [Inglês]
    [28.JUN] A Marca da Maldade (Orson Welles: 1958) Rodrigo [Português]

    A propósito, quem é nossa amiga em comum?

  6. Não tenho não. Obrigada, professor : )
    Fernanda Amâncio Nasrallah, do terceiro ano. Acredito que é uma frequentadora assídua dos clubes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s