uma parte da alma

Giulia G.S.A.

A cada lágrima, uma parte da alma.

As nuvens cobriam o céu deixando o dia estranhamente cinzento. O vento estava manso, tímido. A grama desgastada completando o cenário melancólico daquela tarde patética. Ao longe, os soluços e suspiros dos que ficaram eram ouvidos. Lágrimas cobriam as lápides dos entes perdidos. Flores murchavam conforme o dia envelhecia. O cheiro de decomposição era mascarado por um perfume artificial e enjoativo, como se com aquilo a morte fosse afastada e diminuísse a dor dos outros. Outros esses que choravam não por causa das memórias mas sim pela opacidade que as tomavam.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s