08 – O domingo em dois flashes

          Roger era um mendigo malabarista. Num domingo, após arrancar impressionados sorrisos de rostos carrancudos, conseguiu juntar dinheiro para comer e pagar uma deliciosa macarronada. A macarronada de domingo era a lembrança favorita da sua infância, quando sua saudosa avó conseguia às duras penas disfarçar a miséria que teimava em assediá-los. Alegremente, o mendigo malabarista se dirigiu ao restaurante – lá, o prato de macarrão custava caro, mas o sacrifício valeria a pena; seria bom sentir o paladar levando-o àquela época tão gostosa. No entanto, um sujeito que tomava conta da entrada não foi com a cara dele. Se o mendigo quisesse, ele lhe entregaria um prato de sobras, que deveria ser comido bem longe dali.08-a

          O dia estava perfeito. Era um agradável domingo de inverno, iluminado pelo sol distante, mas ao mesmo tempo refrescado pela brisa suave. O restaurante estava com quase todos os seus lugares já reservados. Muitas famílias iriam comemorar a delícia de existir ali, naquele lugar aconchegante. Nada poderia dar errado. O salão estava limpo; a pintura das paredes, impecável; um sorriso verdadeiro habitava o rosto de cada garçom. Até que uma cena inusitada se construiu: um mendigo, um maltrapilho estava se aproximando. Ah, não! Não seria possível! Ele vai assustar os clientes! Sem contar que provavelmente deve estar cheirando mal! Antes mesmo de entender o que o mendigo tinha a dizer, Tobias, o gerente, se antecipou sabiamente e ofereceu-lhe uma marmita, de graça!, para que ele, o mendigo, pudesse matar sua fome longe dali, sem incomodar ninguém. O mendigo, um sujeito orgulhoso e grosseiro, sequer respondeu, apenas saiu de cena murmurando algum palavrão.

08-b

Ilustrações de Ye Da Som Park.

***

         Conheça a série Metonímicas, clicando aqui.

3 Comentários

3 pensamentos sobre “08 – O domingo em dois flashes

  1. Pingback: Metonímicas: O domingo em dois flashes | Mutuca

  2. Lindas ilustrações – que não apenas decoram o texto, mas o transformam em algo a mais.

    Dessas pequenas incompreensões cotidianas – que, muitas vezes, são muito mais que incompreensões. Foi um dos que mais gostei na série até agora.

    • Eu acho esse exercício, mudança do ponto de vista, muito importante para o nosso amadurecimento. Ele faz muita diferença na hora de escrevermos dissertações, por exemplo.

Deixe uma resposta para Caio Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s